História
Fundadoras
Carisma
Lema
Espiritualidade
Devoções
Lectio Divina
Organização
Etapas de Formação
Comunidades
Missões Ad gentes
Nossa Missão
Onde estamos
Família Espiritual
Reze Conosco
SAV
Serviço Social
Notícias
Blog
Prov. Giustina e Maria
Galeria de Fotos
Aniversário
Calendário Anual
Fale Conosco
 
 

Dell'Olio: conversão na Igreja diz respeito a todos, pastores e fiéis

"Papa Francisco nos pede um caminho de conversão", afirma por sua vez o fundador da Comunidade monástica de Bose, Enzo Bianchi

 

Assis (RV) - “A Igreja em saída para ser encarnada, vivida e proposta precisa de um autêntico processo de conversão que diz respeito a todos, pastores e fiéis.” Foi o que disse o presidente da Pro Civitate ChristianaTonio Dell’Olio, no âmbito do 75º Curso de estudos cristãos, realizado dias atrás na cidadezinha de Assis – região italiana da Úmbria.

Com o intento de elaborar reflexões e propostas provenientes das múltiplas expressões da Igreja e da sociedade italiana, a edição deste ano buscou traduzir em escolhas concretas e duradouras a riqueza e a profundidade do ensinamento de Francisco.

Olhando para o magistério do Papa Francisco, Dell’Olio fez votos de que este estilo eclesial se possa radicar evangelicamente até tornar-se expressão de toda comunidade e contagiar todo setor do humano, do social, do ecumenismo e do político.

Também o bispo de Assis-Nocera Umbra-Gualdo Tadino, Dom Domenico Sorrentino, em seu pronunciamento apresentando as saudações de sua diocese, recordou – olhando para o exemplo de Francisco – que somente uma Igreja despojada pode ser capaz de futuro.

Sobre a necessidade deste processo de “espoliação”, o fundador da Comunidade ecumênica de Bose, Enzo Bianchi, evocando o exemplo de São Francisco de Assis, fez votos de uma “simplificação externa da vida pontifícia e do desmantelamento da corte terrena”.

Enzo Bianchi quis recordar que “em 75 anos estes cursos da Pro Civitate Christiana ajudaram a Igreja italiana a crescer, lendo os sinais dos tempos”.

O primeiro discernimento que o religioso fez em seu pronunciamento foi o de que o “Papa Francisco abriu um clima de maior liberdade na Igreja – alguns medos foram aplacados –, aquele mesmo clima que o Papa Paulo VI havia pedido e almejado”.

Sobre as críticas ao Papa Bergoglio, Bianchi reconheceu: “Existem alguns grupos na Igreja que não se limitam a uma crítica respeitosa, mas têm uma atitude de contraposição e contestação não ao Papa, mas à pessoa de Bergoglio, que destrói a comunidade e a própria Igreja. Essa postura de deslegitimar não tem precedentes na história da Igreja nos últimos séculos”.

O Papa Francisco tem um estilo capaz de mudar a simbologia do papado e quer iniciar o processo de reforma como ele mesmo reconheceu. Ele é capaz de humilhar-se em prol da unidade da Igreja e irá aonde os outros lhe solicitarem”, observou ainda o fundador da comunidade monástica.

“É preciso evidenciar o esforço do Papa Francisco de levar a cumprimento o Concílio Vaticano II e a vontade de instaurar uma cultura do diálogo, um exercício da escuta e abrir a uma conversação que leve ao confrontar-se e que não busca humilhar e deslegitimar o oponente. O Papa Francisco manifesta uma urgência jamais tão sentida: incluir homens e mulheres e não excluir ninguém dos percursos da Igreja”, continuou Enzo Bianchi.

O fundador de Bose concluiu: “Aquilo que o Papa Francisco nos pede é um caminho de conversão. Mas somos capazes dessa conversão?” – interpelou o religioso ousando uma previsão: “Se o Papa Francisco busca os caminhos do Evangelho, encontrará a rejeição das forças anticristãs prontas a contrastá-lo”. (RL)

Fonte: Radio Vaticano

 

 

NOTÍCIAS ANTERIORES