História
Fundadoras
Carisma
Lema
Espiritualidade
Devoções
Lectio Divina
Organização
Etapas de Formação
Comunidades
Missões Ad gentes
Nossa Missão
Onde estamos
Família Espiritual
Reze Conosco
SAV
Serviço Social
Notícias
Blog
Prov. Giustina e Maria
Galeria de Fotos
Aniversário
Calendário Anual
Fale Conosco
 
 

Solenidade de Cristo Rei

Memórias Beneditinas

A celebração da Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo, fecha o Ano Litúrgico. Neste período, meditamos, sobretudo, no mistério de Sua vida, Sua pregação e o anúncio do Reino de Deus. Esta festa celebra Cristo como o rei bondoso e singelo que, como pastor, guia a sua Igreja peregrina para o Reino Celestial e lhe outorga a comunhão com este Reino para que possa transformar o mundo no qual peregrina. Neste final de semana, comemoramos ainda o Dia Nacional do Cristão Leigo e Leiga. Abriremos também a Campanha para a Evangelização: Cristo é a nossa Paz! Em nossa Arquidiocese iremos celebrar a Segunda Festa da Unidade Arquidiocesana, por isso estamos esperando as forças vivas da nossa Igreja na Catedral para o Dia da Unidade, entre 13hs e 19hs, com a celebração da Santa Eucaristia. Na semana que se iniciará também iremos comemorar o Dia Nacional de Ação de Graças. Em todas as nossas atividades deve reinar o Senhor Jesus Cristo!

Cristo Rei anuncia a Verdade e essa Verdade é a luz que ilumina o caminho amoroso que Ele traçou com sua Via Crucis para o Reino de Deus. "Tu o dizes: eu sou rei. Para isso nasci e para isso vim ao mundo: para dar testemunho da verdade. Quem é da verdade escuta minha voz." (Jo 18, 37). Jesus nos revela sua missão reconciliadora de anunciar a verdade ante o engano do pecado. Assim como o demônio tentou Eva com enganos e mentiras, agora Deus mesmo se faz homem e devolve à humanidade a possibilidade de retornar ao Reino, quando qual Cordeiro se sacrifica amorosamente na cruz.

Durante o anúncio do Reino, Jesus nos mostra o que este significa para nós como Salvação, Revelação e Reconciliação ante a mentira mortal do pecado que existe no mundo. Jesus responde a Pilatos quando este lhe pergunta se na verdade Ele é o Rei dos judeus: "Meu Reino não é deste mundo. Se meu Reino fosse deste mundo, meus súditos teriam combatido para que eu não fosse entregue aos judeus. Mas meu Reino não é daqui" (Jo 18,36). Jesus não é o Rei de um mundo de medo, mentira e pecado, Ele é o Rei do Reino de Deus que traz e ao que nos conduz. A possibilidade de alcançar o Reino de Deus foi estabelecida por Jesus Cristo ao nos deixar o Espírito Santo, que nos concede as graças necessárias para obter a Santidade e transformar o mundo no amor.

Essa é a missão que Jesus deixou à Igreja ao estabelecer seu Reino. Cristo Rei foi uma das últimas celebrações instituída pelo Papa Pio XI, na época em que o mundo passava pelo pós-guerra de 1917, marcado pelo fascismo na Itália, pelo nazismo na Alemanha, pelo comunismo na Rússia, pelo marxismo-ateu, pela crise econômica, pelos governos ditatoriais que solapavam toda a Europa, pela perseguição religiosa, pelo liberalismo e outros que levavam o mundo e o povo a afastar-se de Deus, da religião e da fé, culminando com a 2ª Guerra Mundial. O Papa Pio XI instituiu esta festa para que todas as coisas culminassem na plenitude em Cristo Senhor, simbolizado no que diz o Apocalipse: “Eu sou o Alfa e o Ômega, Princípio e Fim de todas as coisas” (Ap1, 8). Ressalta a restauração e a reparação universal realizada em Cristo Jesus, Senhor da vida e da história. Nesta festa celebra-se também nossa participação no Reino de Deus sob a condição de aderirmos à verdade trazida por Jesus, pela qual somos caminheiros que se dirigem à Casa do Pai para participar da mesa do Reino e assumir o compromisso do Evangelho.

A celebração, fechando o Ano Litúrgico, traz para nós, cristãos, a reflexão em torno da vida de Jesus, que significa para nós a salvação onde impera no mundo o pecado. Assim, Jesus Cristo, sendo Rei e Pastor do Reino de Deus que, nos tirando das trevas, nos guia e cuida do nosso caminho para a comunhão plena com Deus Amor.

Eis, pois, caríssimos no Senhor, celebremos hoje a Realeza de Cristo, dispondo-nos a participar da sua cruz. Na Igreja, no Reino de Deus, reinar é servir. Sirvamos, com Cristo, como Cristo e por amor de Cristo! No Evangelho desta Solenidade, o critério para participar do Reinado do Senhor Jesus é tê-Lo servido nos irmãos: no pobre, no despido, no doente, no prisioneiro, no fraco. Que Reino? O de Cristo, que se manifesta nas coisas pequenas, nas pequenas sementes, nos pequenos gestos, no amor dado e recebido com pureza, a cada dia.

Na verdade, segundo os Santos Padres da Igreja, o Reino de Cristo, o Reino que Ele entregará ao Pai somos nós; nós, que fizemos como Ele fez, lavando os pés do mundo e servindo ao mundo a única coisa que realmente compensa: o amor de Cristo, a verdade de Cristo, o Evangelho de Cristo, o exemplo de Cristo, a salvação de Cristo, a vida de Cristo... para que o mundo participe eternamente do Reino de Deus.

Somos chamados a olhar liturgicamente para o que a Igreja nos aponta: tudo deve convergir para que Cristo Reine! Que assim ocorra em nossas vidas, em nossas famílias, em nossas comunidades, em nossos relacionamentos, em nosso país. A melhor coisa que poderá ocorrer para toda a humanidade é quando todos acolhermos Cristo como Rei em nossas vidas.

Por isso, despojemo-nos de todo pensamento mundano sobre reis, reinos e coroas. Fixemos nosso olhar no trono da cruz, naquele que ali se encontra despido e coroado de espinhos. Aprendamos com admiração, estupor e gratidão que nossa mais gloriosa herança neste mundo é participar do Seu reinado, levando a humanidade a descobrir quão diferentes dos nossos são os critérios de Deus. Quando aprendermos isso, quando a humanidade aprender isso, o Reino entrará no mundo e o mundo entrará no Reino, Reino de Cristo, "Reino de verdade e de vida, Reino de santidade e de graça, Reino da justiça, do amor e da paz”!



Dom Orani João Tempesta
Arcebispo do Rio de Janeiro (RJ)

Fonte: Site Amai-vos

 

NOTÍCIAS ANTERIORES